A terceira idade e a falta de produtos e serviços especiais

Com a chegada da idade é que milhares de brasileiros começam realmente a desfrutar de seu tempo livre. Muitas vezes, a ideia de visitar tranquilamente as lojas, shoppings e outros estabelecimentos se torna a principal fonte de lazer.

No entanto, as opções não são tão diversificadas no Brasil. Segundo um levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em conjunto com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todo território nacional, cerca de 65% dos idosos decidem por conta própria o que vão comprar, mas 34% declaram que não encontram itens adequados para a terceira idade.

Escassez de produtos adequados

Entre os produtos escassos aparecem os smartphones com telas e teclados maiores (13%), lugares para seu entretenimento (12%) e também peças de vestuário (11). A respeito da pequena oferta de roupas, 17% afirmam que é muito complicado fazer compras em lojas de vestuários, já que acham apenas itens recomendados para os muito jovens ou para os muito idosos.

Fica evidente que a maioria dos estabelecimentos comerciais brasileiros ainda não se está devidamente preparada para atender as necessidades e desejos da faixa etária com maior crescimento, algo bastante contraditório. Afinal, os idosos têm mais tempo disponível para fazer compras e até mesmo com fonte de renda garantida através da aposentadoria.

Desejos de consumo

Até o final de 2016, não levando em conta as aquisições de produtos para necessidades básicas para casa, os participantes da pesquisa do SPC Brasil declararam que desejavam comprar mais roupas, fazer novas viagens e comprar calçados novos.

Mais da metade dos idosos demonstrou o desejo de comprar itens ou contratar serviços que são ligeiramente mais caros em um futuro próximo, ou seja, nos 12 meses seguintes. A lista de prioridade é encabeçada pela vontade de conhecer novos lugares, adquirir novos eletrodomésticos e realizar um tratamento estético dentário.

Enquanto que nos últimos 12 meses, 55% das pessoas entrevistadas realizaram viagens para algum lugar desejado dentro do território nacional, ao mesmo tempo em que 10% resolveu explorar os destinos turísticos no exterior.

Preferências na hora de decidir onde e o que comprar

A pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito revelou detalhes importantes a respeito da tomada de decisão por parte dos idosos. Na hora de definir um estabelecimento para realizar as suas compras é levado em conta, especialmente, o preço (70%), a excelência do produto e/ou serviço (55%) e a qualidade do atendimento (48%).

Normalmente, os idosos procuram mais as farmácias (49%), as lojas localizadas perto de suas residências (41%) e também as lojas dentro de shoppings centers (25%).

Quando se trata de serviços prestados em domicilio, a preferência fica pela entrega direta de remédios, as compras realizadas em supermercados e também os pedidos de lanches e refeições variadas.

Meios de comunicação tradicionais lideram. Internet é deixada de lado

Apesar do contato com a rede mundial de computadores estar crescendo em todas as faixas etárias, inclusive entre a melhor idade, o interesse pela internet ainda é pequeno entre a camada mais velha da população brasileira.

Outro destaque fica por conta dos meios de comunicação mais relevantes para a terceira idade. Nesta opção, as mídias tradicionais levam grande vantagem. A televisão aberta (80%) é a opção favorita, sendo seguida pelo rádio (50%), o serviço de televisão paga (45%) e a rede mundial de computadores amarga a última posição com apenas 43% de adesão.

Os estilos de conteúdos televisivos que mais chamam a atenção da melhor idade são as novelas (54%), os filmes (40%) e os programas de saúde (28%).

Entrevistados sugerem melhorias na prestação de serviço e comércio

Por fim, a pesquisa do SPC Brasil abriu espaço para sugestões de melhorias no contexto geral. Sete em cada dez entrevistados apontaram a necessidade de aperfeiçoamento na prestação de serviços e das vendas especificadas para a faixa etária.

Os idosos elencaram como prioridades: melhor atendimento, rótulos de produtos mais fáceis de serem lidos, espaços para descanso e placas de sinalização com letras maiores.

Fica evidente que o estudo demonstrou que existe uma lacuna neste segmento, que precisa ser preenchida com mercadorias e serviços de excelência para oferecer uma experiência satisfatória para os consumidores da melhor idade em todo o Brasil.

Foto: Projetado pelo Freepik

Reabilitação oral com implantes

Sorrir é uma atividade extremamente natural do ser humano e que demonstra o seu contentamento para com alguém, algo ou uma situação. Desta maneira, quando se nota a ausência de um dente na boca, não se trata mais apenas de uma questão estética ou de saúde, mas também da autoestima do cidadão. Daí a importância da abordagem da reabilitação oral, especialmente, quando se fala em terceira idade.

De acordo com um estudo da Universidade de São Paulo (USP), as pessoas com poucos dentes ou mesmo nenhum na boca ficam muito mais retraídas, tímidas e tem vergonha de sorrir.

Esse isolamento se reflete na dificuldade de se envolver amigável ou amorosamente com outras pessoas e até mesmo na carreira. Isso acontece porque a falta de dentes é encarada como desmazelo pela maioria dos empregadores, que fecham as portas quase sempre.

Reabilitação oral com implantes dentários: Quem não pode fazer?

Nesta situação o implante dentário representa a melhor opção atual de reabilitação oral. Ele oferece nova chance para retomada da vida pessoal e profissional. Embora o implante dentario valor seja superior ao de outras opções, seus benefícios e vida útil compensam o maior investimento.

Nem todo mundo, no entanto, pode receber o implante. Quem fuma muito, sofre com a diabetes e não cumpre as recomendações médicas ou passa por um tratamento de hepatite, osteoporose ou câncer, infelizmente, não se qualifica para o procedimento.

Tipos de implantes dentários

Hoje em dia, a Associação Dentária Americana classifica como seguros e aceitáveis dois estilos de implantes: implantes subperiósticos e implantes ósseos integrados.

Implantes subperiósticos

Este procedimento tem a ver com a colocação de uma estrutura de metal no maxilar debaixo da gengiva. Desta maneira, a cicatrização da gengiva é finalizada e a armação transforma-se em algo fixado ao maxilar. Os pinos, por sua vez, são encaixados na armação, pendendo por meio da gengiva. Posteriormente, os dentes artificiais são colocados adequadamente nos pinos.

Implantes ósseo integrados

Neste caso, a estrutura é inserida com uma cirurgia de forma direta no osso do maxilar. Depois que a área da gengiva afetada pela cirurgia se recupera totalmente, é efetuado um segundo procedimento cirúrgico para ligar um pino até o implante original. Por fim, a quantidade de dentes necessária é fixada ao pino, um a um, ou reunida em uma dentadura ou prótese fixa.

Causas que levam aos implantes dentários

Segundo informações do site M de Mulher do Grupo Abril, a principal causa para a colocação de implantes dentários tem a ver com a incidência de caries, especialmente, em pessoas com idade inferior aos 35 anos.

Normalmente, as caries são decorrentes da falta de cuidados adequados com a higiene bucal, como, por exemplo: a escovação freqüente, o uso do fio dental e até mesmo as visitas recorrentes ao dentista.

Aprenda a evitar as doenças periodontais

Basicamente, a doença periodontal se trata de um problema que atinge a gengiva até o osso que protege e sustenta o dente. Os três níveis da doença, que variam do menos severo até o estágio grave, são: a gengivite, a periodontite e a periodontite avançada.

Gengivite

Esse é o primeiro e menos alarmante nível da doença periodontal. É possível observar a gengiva inchada e dolorida, com sangramento no momento da escovação ou do uso do fio dental. Neste início, a enfermidade pode ser vencida desde que osso e os ligamentos que dão sustentação para o dente não tenham sido atingidos.

Periodontite

Quando se refere a periodontite, o osso e as fibras que suportam os dentes estão totalmente comprometidos. Forma-se uma bolsa abaixo da margem gengival e surgem as placas. Geralmente, o tratamento odontológico apropriado somado à escovação de dentes pode impedir o agravamento da situação.

Periodontite avançada

Neste momento, a doença periodontal alcança o seu estágio mais severo e começa a destruição das fibras e dos ossos dos dentes. A partir daí, o dente pode ficar mole e até cair, sendo que a mordida passa a ser afetada. Você começa a mudar a sua alimentação e até a maneira com seu comunica com outras pessoas.

Neste contexto, o tratamento periodontal tradicional pode não ser suficiente para salvar a sua dentição. Portanto, os dentes correm o risco de serem extraídos parcial ou totalmente. Contudo, o cidadão não precisa se desesperar ou achar que a sua vida está arruinada.

Afinal, um implante dentário bem feito pode devolver a firmeza da sua mordida, a naturalidade nos momentos de socialização e a alegria para voltar a sorrir.

Foto: Projetado pelo Freepik

Como envelhecer com saúde e disposição?

Como envelhecer com saúde e disposição? Essa é uma pergunta cada vez mais comum em função da elevação da expectativa de vida do brasileiro, que tem aumentado a cada ano. Prova disto é o levantamento, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontando a melhora deste indicador entre 2014 e 2015.

A expectativa de vida do cidadão nascido em 2015 é de 75,5 anos, enquanto que no ano anterior era de 75,2 anos.

O estado que apresentou maior expectativa de vida foi Santa Catarina com a média de 78,7 anos. Os homens catarinenses conseguem chegar com mais facilidade ao 75,4, enquanto que as mulheres ultrapassam os 82 anos.

Apesar da diferença entre 2014 e 2015 ser discreta, a comparação entre 1940 e 2015 é gritante. Na década de 1940, os brasileiros tinham expectativa de vida de apenas 45 anos, cerca de 30 anos a menos do que atualmente.

Um dos principais motivos, além dos avanços da medicina, é a queda do índice da mortalidade infantil que despencou de 146 falecimentos a cada mil crianças nascidas vivas para 13,8 por mil, uma diminuição de 90%.

Portanto, se está muito mais simples viver por mais tempo o que pode ser feito para envelhecer com saúde e disposição? Afinal, o objetivo das pessoas é não apenas viver mais, mas viver bem.

Envelhecer é natural, mas cuidados podem aumentar disposição

Não existe nenhuma fórmula mágica para que a pessoa possa chegar a terceira idade plenamente ativa. Os médicos explicam que o ideal está na manutenção de costumes equilibrados.Isso acontece porque o envelhecimento nada mais é do que um procedimento natural de redução funcional e orgânica, que chega para todos os seres vivos. Nos seres humanos, esse evento natural causa vulnerabilidade e fragilidade, que podem ser minimizadas com algumas ações.

Basicamente, os hábitos nocivos para a saúde e que devem ser evitados são bastante conhecidos: fumo, alcoolismo, obesidade e sedentarismo.

Como envelhecer com saúde e disposição?

1 – Alimentação equilibrada

Uma alimentação equilibrada é uma excelente aliada para refrear os efeitos do envelhecimento. Isso acontece porque os alimentos com fonte de antioxidantes diminuem o impacto dos radicais livres que podem afetar as células do corpo humano.

As vitaminas A, B, C e E são ótimas fontes antioxidantes e úteis para manter a beleza da sua pele. Segundo a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), o segredo é comer cerca de seis porções de vegetais ou frutas diariamente.

2 – Exercite a sua memória

Muitas pessoas associam a falta ou o enfraquecimento da memória com a chegada da terceira idade. Mas, você não precisa se manter passível a falhas de memorização. É necessário procurar pela ajuda de um médico o quanto antes para evitar o agravamento deste problema.

Conforme reportagem da Revista Planeta, você deve recorrer a um especialista seguir todas as suas recomendações. Contudo, ações do dia a dia são importantes para exercitar frequentemente a sua memória e o raciocínio lógico.

Desenvolva o hábito de escrever os afazeres do seu cotidiano para não se esquecer de nada e ter sempre algo para tirar a sua dívida. A leitura também é um costume que pode fortalecer as suas atividades neurológicas. Por isso, leia o jornal, livros, revistas e tudo que for do seu agrado.

Outro passatempo bastante recomendado é fazer palavras cruzadas. Fique em um ambiente agradável e continue completando os espaços com calma e se divertindo. Jogos de tabuleiro ou cartas também são ótimos para manter a disposição, o bom humor e o raciocínio apurado.

3 – Faça atividades físicas regularmente

A atividade física é indicada para todos os dias, especialmente, se for uma prática que motive a pessoa. Você pode começar fazendo exercícios simples na sua residência, como subindo escadas, levando o cachorro para passear ou caminhando tranquilamente.

A Revista Viva Saúde indica que uma caminhada de 15 minutos diariamente é o ideal, mas se exercitar quatro vezes na semana já é suficiente. Afinal, a atividade física ajuda o sistema cardiovascular, fortalece os músculos, melhora os reflexos e diminui a chance de quedas.

4 – Viva socialmente

O fator que mais deve ser combatido pela família e pelo próprio idoso é o seu isolamento social. Por isso, a recomendação é que seguir com os seus compromissos habituais e intensificar o seu lazer.

Compareça ao Grupo da Terceira Idade, converse com os amigos, vá à igreja, visite os seus familiares e continue sendo uma pessoa comunicativa. A participação social vai fazer com que o cidadão desfrute desta etapa com saúde, mas também com muita alegria de viver.

Foto: Projetado pelo Freepik